Respiração
As pessoas durante a crise do pânico respiram de uma forma mais rápida e profunda do que o normal é a hiperventilação, também chamado de overbreathing. O coração bate mais rápido, provocando palpitação e a sensação de falta de ar. Consequentemente o nível de gás carbônico no sangue e no cérebro cai, provocando os seguintes sintomas: palpitação, sensação de falta de ar, formigamento e dormência em pernas, braços e lábios, sensação de morte iminente e, algumas vezes, perda de consciência (desmaio). Os sintomas geralmente duram de 20 a 30 minutos, mas para a pessoa a sensação é de horas. Apesar de assustar, a hiperventilação não costuma ser perigosa. Muitas vezes, os ataques são considerados como alterações respiratórias induzidas por estresse que provocam medo, porque são percebidos como amedrontadores ou aumentam o medo já evocado por outros estímulos fóbicos.

O exercício de respiração guiada possui as opções com ou sem "som",  que ajuda a acalmar, e a opção “tempo” para o usuário alterar o cronômetro do inspira/expira, caso sinta necessidade.
Lembrando que o tempo de inspiração deve sempre ser menor do que o da expiração.


Relaxamento
Durante um ataque de pânico o corpo se contrai, ficando totalmente tenso. É importante saber relaxar e controlar essa tensão. A técnica de relaxamento progressivo de Edmund Jacobson é identificada como o mais antigo método de relaxamento. Ela consiste num procedimento que visa conseguir a redução dos níveis de ativação, mediante uma diminuição progressiva e voluntária da contração muscular. A técnica abrange cerca de 14 grupos musculares e utiliza principalmente a respiração. O seu objetivo é dotar a pessoa de habilidades para controlar a sua própria ativação fisiológica e confrontar as situações que provocam stress e ansiedade.
Esta técnica é algo que se vai desenvolvendo em termos de habilidade, o que leva a um maior grau de relaxamento à medida que a mesma se vai repetindo. Por isso, orienta-se ser executada diariamente.
Quando inspiram, seus praticantes tencionam os músculos e os distendem por cerca de cinco segundos. Ao expirar, eles os relaxam. Essa alternância faz com que o cérebro produza mais serotonina e endorfinas, neurotransmissores que propiciam a sensação de bem-estar. Ocorre uma melhora na imunidade e leva a um desbloqueio muscular e psicológico, um estado de equilíbrio interno ou de funcionamento natural do binômio corpo/mente. É a condição de descanso ideal. O medo e a ansiedade são reduzidos, tendo em vista que o relaxamento fornece um senso de controle ou domínio.

Música 
Assim como já foi comprovado que as cores e as imagens proporcionam e transmitem calma e bem-estar, existe uma área especial da medicina, a terapia de som, que afirma que os sons da natureza são extremamente benéficos para a saúde mental de um ser humano. O som do mar, o canto dos pássaros, o murmúrio de um ribeiro e o sussurro do vento têm uma forte influência positiva sobre nós, acalmam-nos e ajudam a combater o stress.  Os sons da natureza têm um forte efeito terapêutico: eliminam o estresse, acalmam o sistema nervoso e removem a tensão interna do corpo, além de afetar o nosso cérebro de uma forma subconsciente, causando uma sensação de serenidade, alegria e felicidade. Se uma hora antes do deitar vai ouvir o som das ondas ou os sons da floresta durante 10-15 minutos vai adormecer mais rápido e ter um sono bem pesado.
Sã0 6 tipos de músicas instrumentais e 6 tipos de efeitos (som de chuva, cachoeira, pássaro, sino do ventos, onda e vento) para serem acrescentados como “fundo” na música selecionada.

Mensagens Zen
É importante controlarmos o que vemos, ouvimos e lemos para mantermos uma boa energia centrada em pensamentos positivos. Palavras como doença, morte, crise, acidente, estimulam o cérebro de forma negativa. E mesmo que esses pensamentos de medo não sejam reais, outras partes do seu cérebro (como o tálamo e amígdala) reagem a fantasias ou imagens negativas, como se fossem ameaças reais que ocorrem no mundo exterior.
As mensagens Zen auxiliam tirando o foco da crise e promovendo calma e melhorando a autoestima.
O usuário pode escrever suas próprias mensagens e gravar audios, para ouvir no momento da crise ou fora delas.

Imagens
O usuário pode acrescentar imagens que lhe tragam calma, para serem contempladas em detalhes e auxiliar no desvio do foco no momento da crise.
A escolha das imagens pessoais, podem ser trabalhadas na terapia. (Por que a escolha desta determinada imagem e outra não? O que essa imagem representa pra você?)

Cronômetro
O botão do cronômetro dispara o início e o fim da crise, marcando a sua duração total. É importante saber os dias, horas e minutos exatos das crises. Pois, no momento delas, perde-se a noção do tempo.

Ligação para amigos
Ligação de emergência para amigos cadastrados (opção para cadastrar 3 amigos). Esses amigos precisam ter o aplicativo instalado. Assim, receberão uma notificação de que o usuário está tendo uma crise. 
Para maior segurança aparecerá a localização via GPS do usuário em crise.

Histórico
Tela com histórico sobre os ataques do pânico. São arquivadas informações de horário, duração e possíveis situações gatilhos que dispararam a crise. É gerado um gráfico mensal para controle que auxilia o usuário, o médico e o terapeuta. Os arquivos com os dados das informações são disparados automaticamente, quando a opção “cronômetro” é ativada e desativada. Posteriormente fora da crise, o usuário relaciona os gatilhos. Essa associação ajuda a sinalizar os medos e situações que geram ansiedade, ajudando no tratamento.

Localizador
Com o localizador ativado, o usuário  avisa automaticamente a seus amigos cadastrados a sua localização (GPS). Proporcionando uma sensação de segurança, apoio e conforto num momento delicado.

Vídeos
Vídeos de autoajuda, de positividade, meditações e mantras que ajudam no momento da crise ou fora dela.